fbpx
Conteúdo exclusivo sobre mercado imobiliário

Financiamento

8 dicas para organizar gastos e controlar o seu orçamento pessoal

06/10/2020

8 dicas para organizar gastos e controlar o seu orçamento pessoal

Se tem um assunto que faz muito brasileiro quebrar a cabeça, esse, certamente, é o orçamento pessoal. Isso porque não são poucas as pessoas que têm dificuldades em organizá-lo, controlá-lo e ainda ajustá-lo aos momentos de contenção de gastos que surgem ao longo da vida — como períodos de crises econômicas e de saúde (igual à causada em 2020 por conta da Covid-19).

Assim, é preciso ter o orçamento em dia para realizar os seus sonhos (como investir na compra daquele apartamento perfeito para a família e fazer uma viagem de férias para conhecer novas culturas), torna-se fundamental ter uma relação positiva com seu dinheiro. Pensando nisso, listamos oito dicas bem interessantes que vão ajudá-lo a mudar esse cenário e a economizar mais daqui para frente. Confira!

1. Defina as suas metas

A primeira dica é estabelecer quais são as suas metas em relação às finanças pessoais. Por exemplo, reduzir a quantidade de contas que chegam todo mês, controlar os gastos excessivos e supérfluos, quitar dívidas que estão em aberto, substituir algumas despesas por outras, começar a poupar para ter um melhor padrão de vida, criar uma reserva financeira e por aí vai.

Pode parecer uma tarefa desnecessária ou muito óbvia, mas acredite: isso é importante para que você tenha algo para guiar suas futuras ações. Assim, consegue evitar alguma medida precipitada que gere mais dores de cabeça ao longo desse replanejamento financeiro — que não acontece do dia para a noite, mas sim a médio e longo prazo.

2. Identifique seus gastos principais

Após acertar suas metas, é hora de começar a identificar quais são os seus principais gastos. É com saúde? Transporte? Educação? Moradia? A partir de tais informações, você pode começar a investigar o porquê essas despesas são tão altas, se há como conseguir abatimentos e, dependendo do caso, considerar finalizá-las de uma vez por todas.

3. Faça uso de uma planilha de orçamento mensal

É difícil controlar o seu orçamento mensal se você não acompanha quais são as suas movimentações financeiras, as contas que chegam em casa e aquelas despesas de última hora. Por isso, crie uma planilha para anotar todos esses dados.

Não precisa ser nada elaborado ou cheio de ramificações, viu? O propósito aqui é ajudá-lo a ter uma maior clareza sobre como anda a sua vida financeira e quais os possíveis deslizes você está cometendo quando se trata de dinheiro.

4. Comece a cortar os gastos supérfluos

A quarta dica para pôr o seu orçamento pessoal em ordem é eliminar gastos supérfluos da sua rotina. Isso porque eles são o grande vilão das finanças pessoais, dificultando (e muito) a sua capacidade de reter dinheiro e guardá-lo para usar no futuro.

Portanto, evite muitos pedidos nos apps de entrega de comida a domicílio, idas frequentes a restaurantes, o hábito de realizar compras para aliviar as mágoas depois de um dia ruim, uso do cartão de crédito em excesso para tentar acumular mais milhas etc.

5. Avalie as suas contas fixas para ver como economizar

Observe suas contas fixas, como a de água e a de luz, para ver qual o valor atual delas e se têm vindo mais caras nos últimos meses. Assim, você pode adotar medidas para impedir o desperdício no dia a dia e economizar em casa. Por exemplo, reduzindo a utilização da máquina de lavar, tendo lâmpadas com sensor de movimento, ligando o ar-condicionado apenas no momento de dormir e por aí vai.

6. Escolha planos mais econômicos para TV, celular e Internet

Fora o que já foi dito, entre em contato com as suas operadoras de TV, celular e Internet e se informe sobre todos os planos, programas e combos disponíveis para os clientes. Muitas vezes você não sabe nem vai atrás de se informar, mas está inserido em um pacote do qual não usufrui todos os serviços da empresa, ou ainda pior: com um preço acima da média. Portanto, fique por dentro das alternativas que as marcas oferecem para não gastar além do necessário!

7. Liste opções de lazer em quais não há gasto (ou com custo reduzido)

Se você gosta de sair nos finais de semana para se divertir, saiba que não precisa abrir mão do seu lazer e entretenimento para ter uma organização financeira adequada. Basta rever suas programações e começar a listar opções de passeios e programas que não sejam pagos ou tenham custo reduzido.

É o caso, por exemplo, das atividades que acontecem em locais públicos (como parques, praças, praias, jardins e mirantes) e muitas vezes até são promovidas por órgãos municipais e pela iniciativa privada. Por isso, vale a pena ficar atento ao calendário de festas, eventos e atrações da sua cidade!

8. Compartilhe os serviços que contrata

Por fim, aqui vai uma dica valiosa: se você faz uso de algum serviço pago (tipo os streaming de música e vídeo, como Netflix, Spotify, Prime, Globoplay, Deezer etc.), revise os planos para escolher aquele com melhor custo-beneficio. O segredo é pesquisar pelos quais podem ser compartilhados pela maior quantidade de pessoas simultaneamente.

“Mas, espera, o preço desses planos não é geralmente o mais caro?”, você deve estar se perguntando — e com razão. A questão é que justamente por poderem ser usados por um número maior de pessoas, você pode acertar com amigos, familiares ou mesmo colegas de trabalho para dividi-los, ficando cada um com uma conta particular. Vamos a um exemplo: um plano individual de um serviço “X” custa R$ 19,90.

Já o mais caro, que permite compartilhamento entre quatro pessoas — e, de quebra, ainda concede benefícios extras aos usuários —, sai por R$ 39,90. Ou seja, dividindo esse valor pelo total de pessoas, o custo mensal final vai ser de apenas R$ 9,97. Metade do que você pagaria caso assinasse sozinho.

Viu só como a diferença pode ser grande com apenas algumas contas de matemática? Há muitas maneiras inteligentes, práticas e eficientes para ter um controle melhor do seu orçamento pessoal e alcançar uma vida financeira mais estável e planejada, com a garantia de uma reserva financeira para livrá-lo do aperreio nas ocasiões imprevistas que pesam no bolso. Por isso, adote nossas sugestões e não deixe de repassá-las para a sua família!

E já que falamos sobre reserva emergencial, que tal ler algumas dicas para impulsionar a criação dela?


Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *