fbpx
Conteúdo exclusivo sobre mercado imobiliário

DECORAÇÃO

Descubra a diferença entre rebaixo de forro com gesso comum e drywall, e como inovar a decoração do quarto com sanca

26/02/2019

Descubra a diferença entre rebaixo de forro com gesso comum e drywall, e como inovar a decoração do quarto com sanca

No passado, os imóveis apresentavam apenas um ponto para lâmpada no centro de cada ambiente, como quarto, cozinha e banheiro.

Em poucos casos, como em salas de estar e jantar integradas, é que havia dois ou mais pontos; e,  mesmo assim, eles eram fixos, não permitindo a flexibilização do sistema elétrico.

Mas, anos depois, essa situação mudou e muitas empresas passaram a se especializar em rebaixo de forros.

Iara Kilaris

Qual o método mais comum utilizado atualmente para rebaixo de forros?

O método mais comum utilizado para rebaixo de forros de ambientes residenciais utiliza gesso. Há vários modelos de placas que são confeccionadas especialmente para este fim.

A tradicional, em gesso comum, tem tamanho de 60 x 60 cm. Seus pedaços são encaixados uns nos outros, pendurados com arame no teto e emendadas com massa de gesso com sisal, que é aplicada com desempenadeira.

Jéssica Amaral Cordeiro

Agora, a mais conhecida no mercado é a chamada Drywall – o tal gesso acartonado. Trata-se de um conjunto de estruturas feitas com perfis de aço, sustentadas por arames, onde são parafusadas as placas de gesso.

E estas placas também não são comuns, mas revestidas com uma camada de papel em cada lado. Já o acabamento, nesse caso, é feito com fitas de papel e massa especial para Drywall.

Agora, a mais conhecida no mercado é a chamada Drywall – o tal gesso acartonado. Trata-se de um conjunto de estruturas feitas com perfis de aço, sustentadas por arames, onde são parafusadas as placas de gesso.

E estas placas também não são comuns, mas revestidas com uma camada de papel em cada lado. Já o acabamento, nesse caso, é feito com fitas de papel e massa especial para Drywall.

Lucio Nocito

 

Vantagens e desvantagens de cada método

Tanto o rebaixo em gesso comum quanto o feito em gesso acartonado são fáceis de fazer. O problema é que há poucas empresas e profissionais realmente experientes atuando no ramo do Drywall – o que acaba encarecendo o serviço.

Mesmo assim, vale a pena investir no segundo método. Isso porque sua instalação e tempo de cura são mais rápidos e há menos geração de sujeira.

O rebaixo em gesso comum até pode ser decorado com molduras, mas o resultado final não é tão bom quanto o obtido com gesso acartonado.

E ainda existe a possibilidade das placas, com o tempo, se trincarem ou ficarem amareladas.

Com o Drywall conseguem-se efeitos visuais bem mais surpreendentes; e, inclusive, com a adição de lã de vidro ou de rocha, um conforto termo acústico maior.

Uma das desvantagens do gesso acartonado que pode ser destacada é a sua grande sensibilidade à umidade.

Como esse tipo de placa é mais fina, tente a envergar dependendo da situação apresentada no cômodo. Em contrapartida, justamente por ser fina, permite que o arquiteto de interiores “brinque” com as formas, criando propostas para forros com bem mais recortes, curvas e desníveis.

Iara Kilaris

Qual a vantagem de fazer rebaixo de forros?

Quando só se tinha um ponto de luz fixo na laje em cada cômodo da casa, o decorador quebrava a cabeça para saber como iluminar bem os espaços.

Com a possibilidade de se fazer o rebaixo de forros, grande parte dos problemas projetais são resolvidos. É possível passar por detrás do gesso extensões de fios e pontuar saídas de lâmpadas em vários locais diferentes.

Tem decoradores que preveem o rebaixo de forro somente na área central da planta do ambiente. Também se pode fazer esse detalhe somente nas bordas, como se fosse uma grande moldura no teto. Fazer o cortineiro ficar embutido. Ter iluminação com fitas de LED escondidas nas sancas. Luminárias “olho de boi” direcionadas para paredes, quadros, nichos e estofados. E lustres instalados sobre mesas e camas.

INOVA Arquitetura

Como inovar com sancas na decoração do quarto?

Tem gente que pensa que sancas são coisas apenas para decoração de sala de estar e jantar. Essas pessoas estão enganadas. Propostas de arquitetura e design de interiores para quarto de adulto ou criança tende a enriquecer com este tipo de solução de rebaixo de forro.

Para os profissionais, é uma chance de deixar os projetos mais bonitos e requintados. E para os moradores é a chance de ter mais opções de luzes no espaço.

Iara Kilaris

De fato, a iluminação de um quarto, contando com os pontos de lâmpadas embutidas no forro mais as luzes escondidas na sanca, fica espetacular. É algo digno de cenário de filme, como se o teto ganhasse vida!

Patrícia Azoni

Então o quarto não é só quadro paredes e um piso, mas cinco dimensões diferentes. Não é apenas uma superfície em branco, mas um pano preenchido com linhas, cores e brilho. A mágica da arquitetura e do design!

Espaço do Traço Arquitetura

O decorador pode prever uma marcação de forro por meio da sanca; que destaque, por exemplo, a área de posicionamento da cama.

Esse rebaixo pode acontecer tanto na parte de fora quanto na parte de dentro do desenho, tanto no centro do ambiente quanto nas bordas – isso de acordo com a proposta.

Aquiles Nicolas Kilaris e Schaelly Campos

E a forma adotada para esta marcação nem precisa ser quadrada, mas redonda ou sinuosa, tanto faz. Não há limites para a criatividade!

Iara Kilaris

Então, o que você achou da ideia de se fazer rebaixo de forro de ambientes residenciais com gesso? E quanto a fazer um desenho no teto do quarto com sanca? Achou que o Drywall tem mesmo mais vantagens em relação ao gesso comum?

Estas dicas de uso de sanca na decoração do quarto foram criadas pela equipe Viva Decora.


Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *